Lista sigilosa de Fachin cita Lula, Palocci e Cunha, diz jornal

Lista sigilosa de Fachin cita Lula, Palocci e Cunha, diz jornal

access_time 19 de abril de 2017 chat_bubble_outline 0 comments Este post foi lido 174 vezes

Parte dos documentos relacionados à delação dos executivos da Odebrecht, que ainda está sob sigilo, contém citação ao ex-presidente Lula, o ex-ministro Antônio Palocci e o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha. O jornal ‘O Estado de S. Paulo’ teve acesso a essas decisões do ministro Edson Fachin. Os delatores contaram que, para expandir os negócios do grupo em outros países, usavam o nome do ex-presidente Lula como cartão de visitas.

Em alguns desses casos, o ministro Edson Fachin pediu mais informações ao Ministério Público Federal sobre a aplicação da lei brasileira. Em outros casos, o pedido do MPF foi para outras instâncias. Ainda falta decidir se essas investigações vão ser abertas ou não. Estes casos ainda estão sob sigilo para preservar as investigações.

As novas revelações também mostram como o departamento de propina da Odebrecht se estendeu a vários países. A empreiteira teria pago mais de R$ 200 milhões, ilegalmente, em obras e campanhas políticas no exterior.

Os delatores mencionaram pagamento de R$ 114,5 milhões em propina na obra do metrô de Caracas, na Venezuela. No Equador, a construção da hidrelétrica Toachi-Pilatón teve propina de R$ 3,1 milhões.

Nas delações, os executivos da Odebrecht também falam de doações de campanha no exterior, negociadas pelo ex-ministro Antônio Palocci (PT).

Ele teria pedido R$ 9,3 milhões para o candidato à presidência do Peru, Ollanta Humala, e R$ 5,3 milhões para o marqueteiro João Santana, pela campanha de Mauricio Funes à presidência de El Salvador.

Os delatorem relatam ainda o pagamento indevido de R$ 15,5 milhões para Emilio Lozoya, ex-presidente da Pemex, a estatal de petróleo do México, e R$ 62 milhões para um ministro angolano não identificado.

Ainda em Angola, outra petição diz respeito à atuação de Lula para favorecer a empresa do sobrinho dele Taiguara Rodrigues dos Santos. Segundo delatores, a empresa Exergia teria sido contratada pela Odebrecht, apesar de não ter experiência no ramo. Delatores também contam que Lula e o hoje governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), atuaram para viabilizar as obras da Odebrecht no Porto de Mariel, em Cuba.

Do G1.

content_copyCategorized under

No Comments

comment No comments yet

You can be first to leave a comment

Submit an answer

info_outline

Your data will be safe!

Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person.