Gritaram que era ladrão, diz mulher que viu homem ser morto por mãe PM

Gritaram que era ladrão, diz mulher que viu homem ser morto por mãe PM

access_time 13 de maio de 2018 Este post foi lido 115 vezes

O homem que foi morto por uma policial de folga após sacar uma arma em frente a uma escola particular em Suzano (SP) no sábado era um ladrão, segundo a mãe de uma aluna que levava a filha para uma festa de Dia das Mães. A testemunha, que pediu para não ser identificada, conta que viu o momento em que o suspeito abordou uma outra mulher, próximo ao portão de entrada da unidade, e seguiu em direção ao portão da escola, onde fez um disparo.

“Eu estava dentro do carro com a minha filha, que terminava de se arrumar para entrar na escola. A mulher que foi abordada foi em direção ao portão da escola e falou que era um ladrão. Foi tudo muito rápido. Só deu tempo da policial perguntar onde estava o ladrão, quando ele sacou a arma. Aí a policial já encostou e sacou a arma”.

Um vídeo que circula pelas redes sociais mostra como foi o trajeto do homem, que seguiu a mulher que aparece nas imagens com uma roupa cinza, que estava acompanhada por uma criança com calça rosa. Ele segue pela rua e a mulher e a criança, pela calçada.

A testemunha disse ainda que, depois de abordar a mulher, o homem revistou o porteiro da escola e que acredita que ele tinha a intenção de entrar na unidade.

O vídeo mostra que, ao perceber a ação, a policial, que estava de folga e é mãe de uma aluna da escola, saca a arma e faz três disparos contra ele. O homem cai no chão e a policial o rende. Ainda de acordo com a testemunha, depois disso, um vizinho da escola, que também é policial, chegou ao local. “Depois disso já chegaram as viaturas da polícia. Foi muito rápido”, lembra.

Na opinião da mulher, a policial agiu bem ao atirar no homem. “Ela [a policial] foi uma heroína. Não só da filha, mas também das outras mães e das outras crianças. Ela fez o certo”, conta.

A Polícia Militar ainda não informou se a ação estava de acordo com as normas da corporação.

Festa cancelada

A testemunha contou que a escola tinha programado três horários de apresentações para o Dia das Mães: às 8h, às 10h30 e às 13h. No entanto, uma delas foi cancelada depois do ocorrido e será remarcada.

“Depois que todo mundo correu, as mães ainda voltaram com as crianças para um outro portão da escola. A direção apareceu e disse que a apresentação das 8h ia ser cancelada e que iriam marcar outro dia”, relata.

“Fiquei com um sentimento de impotência. Fico arrepiada só de lembrar. A gente não acha que isso vai acontecer na porta da escola”, lamenta.

Ela contou ainda que a filha viu as imagens que circularam pelas redes sociais. “Convesei bastante com a minha filha. Vou levá-la para a escola normalmente, mas acredito que todo mundo vai ficar mais esperto. Vida que segue”, observa.

O caso

O crime que chocou os pais foi na manhã deste sábado (12). Uma policial militar de folga, que tinha ido participar da comemoração de Dia das Mães na escola onde a filha estuda, baleou um homem em frente a unidade. De acordo com a Polícia Militar, o homem, de 21 anos, estava com um revólver calibre 38 e fez dois disparos. Um disparo não acertou ninguém e o segundo falhou.

 Do G1.
content_copyCategorized under