Alepe renova mais da metade da bancada

Alepe renova mais da metade da bancada

access_time 9 de outubro de 2018 Este post foi lido 121 vezes

A bancada eleita para a Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), nesse domingo (7), apresenta um percentual de 51,02% de renovação em relação à bancada atual. Isso significa que serão 25 novos parlamentares do total de 49 que compõem a Casa. Mas tal índice, maior em relação à eleição de 2014, quando foram 21 parlamentares novos, também está associado à perpetuação de grupos familiares no poder.

Confira os deputados estaduais eleitos por Pernambuco em 2018

Entre os novos nomes da Alepe, pelo menos 13 deles têm vínculo familiar com algum político do Estado, à exemplo de Aglaison Victor (PSB), filho do prefeito de Vitória, Aglaison Júnior (PSB), e de Fabíola Cabral (PP), filha do prefeito do Cabo de Santo Agostinho, Lula Cabral (PSB). Esse laço nem sempre é de sangue, mas sim matrimonial, como é o caso de Alessandra Vieira (PSDB), esposa do ex-prefeito de Santa Cruz do Capibaribe Edson Vieira (PSDB) e Dulcicleide Amorim (PT), esposa do deputado estadual Odacy Amorim (PT), que disputou um mandato na Câmara dos Deputados, mas não conseguiu se eleger.

Houve casos de renovação em relação à legislação anterior, mas de nomes que já estiveram na Alepe, como João Paulo (PT), Zé Queiroz (PDT) e Manoel Ferreira (PSC). Esse último voltou para política e garantiu um representante da Família Ferreira na Casa com a saída do seu filho, André Ferreira (PSC), eleito deputado federal.

O professor de ciência política e autor do livro “A Primazia dos Clãs: A família na política nordestina”, Vanuccio Pimentel, nomeia tal fenômeno. “São organizações familiares que se estruturam dentro de um sistema político para garantir espaço, onde o objetivo é garantir espaço político que mantenha a sobrevivência desse grupo familiar. Então, isso é o caso de Fabíola, dos Ferreira, dos Magalhães, do Silvio Costa e dos filhos”, explica. João Paulo Costa (Avante), filho de Silvio, foi eleito deputado estadual, enquanto seu irmão, Silvio Costa Filho, vai para a Câmara dos Deputados.

Entre os que não conseguiram se reeleger, estão deputados com um grande histórico na Casa, como Marcantônio Dourado (PSB), que estava no seu oitavo mandato, e Augusto César, com mais de cinco passagens pela Casa.

Presidente

A maior bancada na configuração atual é a do PP, com 14 deputados. Mas a partir da eleição ela desidratou e se tornou a segunda maior, atrás do PSB, que agora terá 11 deputados. Isso terá um peso para a eleição do novo presidente da Alepe,atualmente sob o comando de Eriberto Medeiros (PP). “É mais provável que o PSB tenha mais força. O lastro de candidatos que elegeram Paulo Câmara vão se unir nessas questões e irão decidir entre um aliado muito forte ou alguém do próprio PSB”, diz o cientista político Ernani Carvalho.

A bancada de oposição escolherá um novo representante para a próxima legislatura. “Caberá aos novos deputados da oposição fazerem uma reflexão de qual é o melhor nome, que pode aglutinar mais, é isso que está se desenhando”, explicou Silvio Costa Filho, atual líder. Priscila Krause (DEM) e Álvaro Porto (PTB) são nomes cogitados para assumir a liderança da bancada.

Outra questão é o fato da bancada feminina ter quase dobrado de tamanho em relação a eleição anterior, de seis para dez. Trata-se da maior bancada feminina da Alepe, que chegou a ter nove parlamentares mulheres na legislatura de 2003 a 2006. Além de Gleide Ângelo (PSB), que teve a maior votação da história, e do Juntas (PSOL), mandato de coparticipação entre cinco mulheres, foram reeleitas Priscila Krause (DEM), Simone Santana (PSB), Roberta Arraes (PP) e Teresa Leitão (PT).

Do JC Online.

content_copyCategorized under